terça-feira, 27 de novembro de 2012

Forte apoio para o ensino do cristianismo nas escolas inglesas



Forte apoio para o ensino do cristianismo nas escolas inglesasa pesquisa de 1800 pessoas, dois quintos disseram que ensinamento sobre a fé precisava de mais atenção nas aulas de educação religiosa

Quase dois terços dos adultos dizem apoiar o ensino do cristianismo nas escolas, de acordo com uma pesquisa realizada pela Universidade de Oxford.
 
Na pesquisa de 1800 pessoas, dois quintos disseram que ensinamento sobre a fé precisava de mais atenção nas aulas de educação religiosa.
 
Pessoas foram questionadas se elas queriam que a religião da maioria fosse ensinada nas escolas, e o resultado mostra que a maioria, 64%, apóia o ensino do cristianismo aos alunos para ajudá-los a entender a história inglesa.
 
A pesquisa fez parte de um novo projeto do departamento de educação de Oxford e busca apoiar os professores na apresentação da principal religião da Grã-Bretanha em aulas de ensino religioso.
 
Enquanto 43% dos entrevistados disseram que mais atenção deve ser dada ao ensino sobre o cristianismo em aulas de religião, 37% disse que muitos professores de educação religiosa não sabem o suficiente sobre o cristianismo para ser capaz de ensiná-lo de forma eficaz.
 
Perguntado quais tópicos do cristianismo as crianças devem ser ensinadas 58% disse que a história do cristianismo, 56% disse conhecimento sobre festivais importantes, como Páscoa e Natal, e 51% dos entrevistados defenderam o tema: “o modo cristão de distinguir o certo do errado”.
 
Além disso, mais de um terço, 38%, disse que a Bíblia deve ser ensinada na escola, e 30% disse quer os alunos devem ser ensinados sobre a Oração de Jesus.
 
A educação religiosa é obrigatória nas escolas estaduais para alunos com idades entre cinco e 16 anos.
 
O Departamento de Educação disse que os inspetores têm levantado preocupações sobre como a educação religiosa é ensinada nas escolas. "Um dos problemas identificados na literatura de pesquisa é que os professores são, por vezes, nervosos sobre a questões relacionadas com o cristianismo porque eles estão preocupados que pudessem ser considerados como evangelizadores".
 
John Keast, presidente do Conselho de Educação Religiosa da Inglaterra e do País de Gales também disse que relatórios de inspeção mostrou que o ensino do cristianismo é muito fraco. "Pesquisa e formação são fundamentais para melhorar o ensino de todos os aspectos do ensino religioso, mas com oportunidades para professores terem acesso a um treinamento de boa qualidade”.
 
Os resultados da pesquisa mostram que enquanto o Governo se esquiva das raízes cristãs do país e tem sido cauteloso para não ser visto como "imperialista cultural", as pessoas estão sendo privadas da educação cristã que elas estão procurando.
 
Baronesa Sayeeda Warsi, a primeira mulher muçulmana a servir no Gabinete, disse recentemente que a Grã-Bretanha deve tornar-se um país onde as pessoas não tenham vergonha de dizer que são cristãs."Precisamos criar um país em que as pessoas possam ser descaradamente orgulhosas de sua fé - onde elas não sintam que têm que deixar a religião na porta", disse Baronesa Warsi em um artigo no Daily Telegraph. 
 
 
Fonte: Christian Today 

Reproduzido pela CPAD
Postar um comentário

vídeos gospel de Pres. Médici-MA

Loading...