sábado, 11 de março de 2017

O chamado cair no poder faz parte do culto pentecostal?


Muitos neopentecostais ou pentecostais mal-orientados têm atrelado erroneamente o “cair no Espírito” às verdades pentecostais. Além de citarem episódios da história do pentecostalismo, apegam-se a algumas passagens da Bíblia tidas como irrefutáveis. Posteriormente, pretendo fazer uma explicação sobre o “cair no Espírito” ao longo da história do Movimento Pentecostal. Neste texto, para não me estender muito, me aterei apenas aos principais textos bíblicos que supostamente embasariam o “cair no Espírito”.

Atos 2.1-16. O que ocorreu no dia de Pentecostes tem sido usado por aqueles que defendem o “cair no Espírito” como parte do culto genuinamente pentecostal. Eles afirmam que o “mover de Deus” ali foi tão grande, espantoso e sem limites, a ponto de uma parte da multidão reunida em Jerusalém ter pensado que os cristãos estavam embriagados (vv. 13,16).

De fato, os primeiros cristãos batizados com o Espírito Santo foram tidos como embriagados, mas o texto bíblico mostra que a zombaria dos judeus religiosos de todas as nações não se deu em razão de eles terem visto pessoas caídas ao chão ou tomadas por uma prolongada “unção do riso”. Na verdade, o servos de Deus pareceram estar embriagados porque, de modo sobrenatural, começaram a falar nas línguas de pessoas de diferentes nacionalidades que ali estavam (vv. 5-13).

1 Coríntios 1.25. Alguns defensores de manifestações não previstas em Marcos 16.15-18 citam 1 Coríntios 1.25 e argumentam: “Quem acha o cair no Espírito e a unção do riso estranhos não conhecem a unção da loucura de Deus. Ele pode fazer o que quiser. Não podemos colocar Deus numa caixinha”. Entretanto, estamos diante de um argumento que se autodestrói em cinco segundos!

O termo “loucura de Deus” não se refere à loucura proveniente de Deus. Trata-se de figuração de linguagem alusiva à superioridade da sabedoria do Senhor em relação à dos homens. Observe que o apóstolo Paulo também afirmou, no mesmo versículo, que “a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens” (1 Co 1.25). Ora, se existe a unção da loucura de Deus, por que não existiria também a unção da fraqueza de Deus?

Daniel 10.8-9 e Apocalipse 1.17. Os defensores do “cair no Espírito” gostam de dizer que Daniel e João caíram no poder de Deus. Examinemos com cuidado esses dois episódios. No primeiro caso, o profeta Daniel, sem forças para permanecer em pé, visto que havia jejuado por três semanas, caiu sobre o seu rosto, sendo imediatamente amparado por um enviado de Deus, que ordenou: “levanta-te sobre os teus pés” (Dn 10.11). Podemos comparar essa experiência com pessoas que caem para atrás após serem atingidas por um “paletó mágico”?

O caso de João é semelhante ao de Daniel (Ap 1.10-18). E fica claro que ele não foi derrubado por um sopro ou golpe de capa (naquela época não havia paletó). João também não deixou de usar o raciocínio. E ele, assim como Daniel, caiu prostrado sobre o seu rosto, diante da glória do Senhor. Com todo o respeito a quem pensa de modo diferente, não há como fazer um paralelo entre o cair aos pés do Senhor e o famigerado “cair no Espírito”.

João 14.12. Esta passagem tem sido muito citada na tentativa de avalizar o “cair no Espírito”, visto que o Senhor Jesus disse: “aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço e as fará maiores do que estas”. Entretanto, o termo “obras” (gr. ergon) não significa “novas unções” ou “manifestações exóticas”, e sim: “trabalho”, “ação”, “ato”.

Exegeticamente, “obras maiores” são as mesmas realizadas por Jesus, em maior quantidade e alcance, e não em qualidade. O Senhor não aludiu a novos “moveres”, e sim à pregação do Evangelho e à expansão do seu Reino na terra. No meu livro Mais Erros que os Pregadores Devem Evitar (CPAD, 2007) faço uma explicação bem detalhada de João 14.12 e outras passagens usadas de modo equivocado pelos defensores do “cair no Espírito” e a “unção do riso”. 

1 Reis 8.10,11. Este, talvez, seja o texto mais citado pelos pregadores que ministram o “cair no Espírito”, os quais têm argumentado: “Ninguém suporta ficar de pé quando a unção do Espírito vem sobre nós”. Bem, vamos examinar com atenção o que aconteceu, começando com uma leitura atenta da passagem: “E sucedeu que, saindo os sacerdotes do santuário, uma nuvem encheu a Casa do SENHOR. E não podiam ter-se em pé os sacerdotes para ministrar, por causa da nuvem, porque a glória do SENHOR enchera a Casa do SENHOR”.

Como se percebe, essa passagem bíblica nada menciona a respeito do “cair no Espírito”. O que ela diz é que a nuvem da glória do SENHOR encheu a sua Casa e impediu os sacerdotes de ministrar. Quanto à frase “não podiam ter-se em pé”, a versão bíblica Almeida Revista e Atualizada (ARA) é ainda mais clara: “não puderam permanecer ali”; não tiveram como ministrar, por causa da nuvem que encheu a Casa.

Diante do exposto, o fogo é uma bênção, desde que esteja sob controle. A eletricidade, de igual modo, precisa ser controlada nas subestações. E um trem pode alcançar grande velocidade, mas sempre corre no trilho. Assim, o culto a Deus deve ser controlado pelo Espírito Santo, que age em perfeita harmonia com a Palavra do Senhor, para que tudo ocorra com decência e ordem (1 Co 14.20-40).

Em Atos dos Apóstolos não há nenhum abono ao “cair no Espírito”. Em 1 Coríntios 12.28, vemos que Deus hierarquiza dons e ministérios. E, ao fazer isso, Ele prioriza os três ministérios ligados à pregação e ao ensino da Palavra: “pôs Deus na igreja, primeiramente, apóstolos, em segundo lugar, profetas, em terceiro, doutores”. E o que tenho percebido em minhas pesquisas é que, nas igrejas em que ocorre o “cair no Espírito”, a exposição da Palavra do Senhor se torna secundária ou até desnecessária. E mais: à luz de Marcos 9.17-27 e Lucas 4.35, são os demônios quem lançam pessoas ao chão!

O Senhor Jesus jamais derrubou alguém mediante sopros, golpes de capa ou imposição de mãos. Em seu ministério terreno, Ele ensinavapregava e curava os enfermos (Mt 4.23; At 10.38). Que tal seguirmos o conselho da Palavra de Deus em 1 João 2.6? “Aquele que diz que está nele também deve andar como ele andou”.

Ciro Sanches Zibordi

Postar um comentário

vídeos gospel de Pres. Médici-MA

Loading...